Análise didática

A formação em psicanálise clínica implica em muito mais que absorver o extenso e complexo manancial teórico que ela abarca. Não se conhece outra profissão que para o seu desempenho, obriga ao aspirante ao corajoso e difícil ato de mergulhar nos próprios conteúdos emocionais e ressurgir com a sua "caixa de pandora" aberta. Assustador e libertador ao mesmo tempo. Esse é um dos motivos pelos quais poucos conseguem terminar o curso de psicanálise com o certificado clínico em mãos. A Clínica Pentapsi oferece aos alunos de cursos de Psicanálise (presencial ou online) a possibilidade de fazer análise didática online conforme a quantidade mínima de horas exigidas pela instituição de ensino psicanalítica.
A análise didática é um requisito obrigatório em todos os cursos de psicanálise aos alunos que queiram clinicar. A absorção pura e simples dos alicerces teóricos não constrói um psicanalista, portanto a análise didática é o momento em que o aluno confronta as próprias questões emocionais e desenvolve a capacidade de traduzi-las à luz da teoria psicanalítica. Durante esse processo três alicerces são construídos e avaliados ao decorrer da quantidade de horas mínimas exigidas:
1. A capacidade de isentar-se, ser franco quanto às próprias questões emocionais, oferecer-se a possibilidade da dúvida e auto questionamento constante.
2. O nível de conexão e o nível de tramite das faculdades psíquicas com as sensoriais.
3. A fluência em transitar psicanaliticamente pela teoria e prática do quotidiano.
Basicamente, durante a análise didática aluno traz as próprias demandas e inquietudes emocionais e tem a oportunidade de experienciar em si mesmo o manancial profissional que futuramente ira aplicar aos analisantes. Também terá a oportunidade de desconstruir-se e reconstruir-se a luz da psicanálise pois esse será verdadeiramente o momento de elaboração e análise, e não durante a assimilação puramente teórica como muitos alunos imaginam.
Ao supervisor cabe julgar se o aluno adquiriu proficiência suficiente nos três alicerces para clinicar e emitirá um relatório informando a quantidade de horas feitas e se o aluno apresenta ou não prerrogativas mínimas exigidas para clinicar como psicanalista.

 Supervisão

Segundo Lacan, o supervisor tem uma visão panorâmica do caso trazido e da relação do analista com o analista sob supervisão, assim como dos impasses deste na condução do tratamento. A supervisão pode trazer à luz as obscuridades relativas às estruturas ou ao tipo clínico do paciente e levar o supervisionando a uma conclusão diagnóstica para orientar a direção do tratamento. É também o lugar onde podem ser levadas as questões relativas ao sintoma, à fantasia, às passagens ao ato, aos acting-outs, etc. Na supervisão podem ser levadas questões do amor de transferência que é endereçado ao analista e as vacilações dele em relação à orientação do caso. É ainda o lugar do sujeito-analista se confrontar com seu desejo de curar, seu desejo de reconhecimento, de responder à demanda, seu desejo sexual, que pode ser despertado eventualmente, e sua demanda de amor. Onde o analista aparece como sujeito – o que se chamou de contratransferência – a análise empaca e sai do discurso analítico. Onde surge o desejo do sujeito-analista, desaparece o desejo do analista. E falha o ato do analista. Segundo o conteúdo programático da escola e a quantidade mínimas de horas exigidas, o aluno pode solicitar a supervisão. Na supervisão o aluno fará os próprios atendimentos amparados pelo supervisor (o mesmo que fez ou faz a análise didática) que irá intervir no setting analítico, e confrontará a clínica do aluno com os conteúdos emocionais deste. Durante este processo, o aluno será convidado a expandir-se emocionalmente e será avaliado segundo três alicerces:

1.Desenvolver a capacidade de reconhecer e manejar a contratransferência.
2. Desenvolver o manejo de elaborar o setting analítico transitando de maneira equilibrada entre o pensamento e a teoria psicanalítica e o seu próprio desejo e convicções .
3. Desenvolver hipóteses segundo a existência de manifestações do inconsciente e de repetições.

A supervisão é um processo ininterrupto no qual o aluno se capacitará para transitar com fluência e tranquilidade no ambiente subjetivo das investigações e elaborações psicanalíticas. É recomendado que o psicanalista esteja sempre amparado pelo seu supervisor mesmo após a formação, a fim de explorar e manejar a favor do processo terapêutico as iminências das contratransferências que aparecerão. Ao supervisor cabe julgar se o aluno adquiriu proficiência suficiente nos três alicerces para clinicar e emitirá um atestado informando a quantidade de horas feitas e se o aluno tem ou não prerrogativas mínimas exigidas para clinicar como psicanalista.

O aluno será incentivado a todo momento que continue a estudar e fazer supervisão após a conclusão do curso como condição essencial para a boa condição emocional e profissional do psicanalista.

Condições de Serviço

1. É de responsabilidade do aspirante a observância das normas da instituição de ensino para a supervisão / análise didática e adequá-las com seu supervisor.
2. Ao aspirante caberá estabelecer com o supervisor a quantidade de sessões de supervisão e análise didática e valores das sessões.
3. O valor das sessões poderá ser alterado quando negociado e aceito em comum acordo em qualquer momento.
4. Em caso de interrupção no andamento das consultas, será emitida uma declaração com o total realizado. Caberá a instituição de ensino aceitar ou não as consultas de maneira cumulativa ou de diferentes psicanalistas. A observância destas condições junto a instituição de ensino ficará sob responsabilidade do aspirante.
5. Em caso de reconhecimento de firma em cartório da declaração de supervisão/ análise didática, ficará a cargo do aspirante os custos junto ao cartório.
6. Caso o supervisor julgue que o aspirante não está apto a clinicar, cabe ao supervisor informar ao aluno tal fato e os motivos e portanto fica estabelecido que tal aluno não estará apto a clinicar. Os critérios utilizados pelo supervisor ligado a esta instituição serão os seguintes:

Análise didática
1. A capacidade de isentar-se, ser franco quanto às próprias questões emocionais, oferecer-se a possibilidade da dúvida e auto questionamento constante.
2.O nível de conexão e o nível de tramite das faculdades psíquicas com as sensoriais.
3.A fluência em transitar psicanaliticamente pela teoria do quotidiano.
Supervisão
1.Desenvolver a capacidade de manejar a contratransferência.
2.Desenvolver a capacidade de elaborar do setting analítico segundo o pensamento psicanalítico.
3.Desenvolver hipóteses segundo a existência de manifestações do inconsciente e repetições repetições de padrão.

Fica estabelecido que a decisão do supervisor deverá ser acatada pelo aluno sem direito a devolução do valor investido nas consultas.

facebook_page_plugin